O trabalho dos metroviários na visão dos usuários

1º de maio é o Dia do Trabalhador, um dia de luta, de reflexão e de celebração da importância do trabalho de cada um. Em uma atividade comemorativa ao Mês do Trabalhador, a Trensurb convidou usuários do metrô – também trabalhadores – para conhecer a sede da empresa e um pouco do trabalho desenvolvido pelos profissionais da Trensurb que pouco aparece para o público em geral. Esses trabalhadores, usuários do trem, também nos falaram sobre aquilo que pensam dos resultados do trabalho prestado pelos metroviários e do atendimento à população realizado pelos trabalhadores da Trensurb.

Pontualidade e interação online

Broneilda Alves dos Santos, mais conhecida como Nica Santos, de 68 anos, aparece em todos os status operacionais costumeiramente postados às 7h no Facebook da Trensurb para dar “bom dia” à equipe de comunicação da empresa, sem falhar uma data sequer. Moradora de Canoas, ela é aposentada, mas por muito tempo utilizou o trem para ir trabalhar como diarista.

Hoje, ela usa o metrô para visitar suas amigas, uma em Porto Alegre e outra em Novo Hamburgo. Para Nica, viajar com a Trensurb é mais rápido do que em outros meios de transporte, além de poder confiar nos horários programados das viagens.

Ainda sobre as vantagens do transporte metroviário, a ex-diarista pondera que, mesmo quando os usuários precisam viajar de pé, não há o estresse de ficar parado em sinaleiras ou no trânsito congestionado. Por vezes aproveitam até mesmo para sorrir, como quando a viagem é conduzida pelo “operador divertido”: “A forma como ele anuncia as estações, todo mundo ri dentro do trem”, declara.

Sobre o motivo de sua “aproximação” à empresa, Nica diverte-se ao lembrar e diz: “Entro no Facebook para me divertir um pouco e para dar aquele bom dia, porque a primeira vez quando entrei pensei: vamos ver se eles respondem as pessoas e eu vi que respondem, até quem está falando mal!”.

Carlos Roberto Generoso, o @realgeneroso no Twitter, tem 34 anos e é servidor público. Normalmente utiliza o trem de segunda a sexta-feira, pois mora em Canoas e trabalha no Centro de Porto Alegre. Mesmo possuindo carro, raramente utiliza-o para ir ao trabalho, afinal, conforme Generoso: “A Trensurb disponibiliza um serviço onde dá para tu te programar, tem quase sempre à disposição, o preço é bastante atrativo e é muito ágil”. É comum encontrar o servidor em contato com o Twitter da Trensurb para falar sobre seus “causos” dentro do sistema metroviário, inclusive interagindo com outros amigos da rede social.

Bom atendimento e “amizade” com o Zurbinho

Ariel Pagliarini da Silva tem 20 anos, mora no bairro Niterói, em Canoas, e é estagiário de recursos humanos. Costuma utilizar os serviços da Trensurb em “dia útil, final de semana e feriado” segundo ele. O que ele mais gosta no serviço oferecido? “Os horários e o atendimento, a facilidade de ir de uma cidade à outra, de Novo Hamburgo a Porto Alegre, por exemplo, em pouco tempo”, revela.

Além de interagir com a página no Facebook, possui outros motivos para abrir um sorriso graças à Trensurb: conheceu a namorada dentro do sistema metroviário. A primeira vez em que se viram foi na Estação Canoas. E a tão sonhada foto com o Zurbinho virou realidade em sua visita à empresa.

Juliana de Castro Machado, a @ajumachado no Twitter, tem 31 anos e trabalha num banco de coleta de células-tronco em Porto Alegre. Moradora de Sapucaia do Sul, pega o trem há pelo menos dez anos com sua mãe, todas as manhãs.

Costuma fazer o trajeto entre as estações Sapucaia e Aeroporto e, para ela, os intervalos entre viagens são tão curtos no horário em que embarca que não há tempo nem para reclamar. Algumas vezes, segundo Juliana, o operador do trem até ajuda a melhorar o humor dos passageiros: “Tem o operador animado, ele fala uns negócios tão engraçados que não tem como as pessoas não rirem, tipo ‘vamos lá pessoal, é hoje!’”.

Quando necessitou, Juliana lembra que sempre foi bem atendida. Como na vez em que sua mãe passou mal dentro do trem. Na próxima estação, já havia uma ambulância à espera. Ou quando um homem tentou assediar algumas mulheres presentes numa composição. Ela conta que desembarcou, chamou a segurança e o caso foi resolvido na estação seguinte.

“Fico tranquila porque sei que se acontecer alguma coisa, na outra estação vai ter alguém para nos ajudar”, conta. Sua fidelidade aos serviços da Trensurb é devido a essa segurança, ao preço baixo e ao fato de dificilmente ocorrerem transtornos relativos a horários para o usuário, diferentemente do tráfego rodoviário da Região Metropolitana.

A sapucaiense também acredita que as interações nas redes sociais ajudam bastante: “Vocês sabem o momento de falar as coisas, do que está acontecendo no sistema. É bom para o usuário mais novo. Há um tempo atrás precisava ligar o rádio para saber se o trem estava funcionando ou não, não tinha a internet para facilitar. Hoje, com as redes sociais, fica mais fácil essa proximidade, vocês estão ali brincando, divertindo, daqui a pouco ‘olha só, parou o trem, aconteceu uma avaria’, vocês sabem a medida certa”, declara.

Sobraram elogios até para o mascote da Trensurb, o Zurbinho: “Ele nos faz nos sentirmos mais próximos da empresa, é algo humano, não um robô. Eu fico muito feliz com o trabalho que vocês estão realizando”, completa.

Recebidos de braços abertos

Recentemente, Nica, Generoso, Ariel e Juliana visitaram a sede da Trensurb e, acompanhados do Zurbinho, conheceram a Central de Atendimento ao Usuário, o Centro de Controle Operacional e a oficina de manutenção leve.

Na visita, Nica fez questão de andar no aeromóvel pela primeira vez e, encantada com o que viu, afirmou que foi um “dia de princesa”. Generoso disse não ter ideia de que tanto trabalho era necessário para o funcionamento do metrô, como na manutenção noturna por exemplo. Ariel ensinou o Zurbinho a “argumentar em italiano” e fez questão de registrar o momento. Juliana, que lembrou ter ganhado um papercraft do trem série 100 há anos em uma Expointer, levou, desta vez, um trenzinho de papel da série 200 para montar em casa.

Cada um dos usuários que visitou a Trensurb saiu daqui com novas histórias, com mais conhecimento sobre as atividades dos metroviários e, certamente, com lembranças de momentos que jamais esquecerão. Isso graças aos trabalhadores da empresa, que os receberam de braços abertos – e ao Zurbinho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *