Foto: Arquivo Trensurb

O ‘tarefeiro’ da solidariedade

Foto: Arquivo Trensurb

Foto: Arquivo Trensurb

A história de Claudio Gilberto Carvalho Teixeira, 56 anos, chefe do Setor de Responsabilidade Socioambiental da Trensurb, confunde-se com a da própria empresa. Isso porque ele faz parte do quadro de funcionários desde o início de tudo. “Eu trabalhava em hotel quando surgiu a oportunidade de fazer um concurso público para trabalhar na Trensurb em 1984. Minha cunhada, minha mulher e eu participamos, mas só eu passei”, conta.

O contato com o público no seu ofício anterior foi essencial para a posição que viria a ocupar na empresa no início: auxiliar de operações. “O cargo não estava previsto no quadro de funcionários. Mas os avaliadores identificaram um grupo com o perfil psicológico semelhante, com facilidade de comunicação e interação com as pessoas”, explica. Carvalho era responsável por orientar os usuários a como utilizar melhor os serviços daquela novidade na capital à época, que ligava Porto Alegre à Sapucaia do Sul.

Carvalho cresceu dentro da Trensurb, e hoje, mesmo chefe de setor, não abandona o contato com o público. O Setor de Responsabilidade Socioambiental é responsável por diversas ações de conscientização e sustentabilidade da empresa, como, por exemplo, a Campanha do Agasalho. “Muitas vezes nós fazemos uma troca com as entidades assistencialistas. Por exemplo, uma delas nos ajuda na triagem do material doado pelos usuários, e nós entramos com a doação de roupas que elas distribuem nas comunidades carentes, ou customizam para vender em brechós e arrecadar verba para doações”. Uma das ações a ser realizadas em outubro envolve o grupo Multiplicar, de Canoas , que realizará oficinas de atividades com crianças, ensinando a pintar e fazendo brincadeiras. Haverá também oficinas destinadas às mães, ensinando a elas como fazer bolos e doces, que podeão ser vendidos e ajudar na renda da família.

Após tanto tempo de empresa, o que motiva o Carvalho?

“Eu gosto do que faço, de lidar com o público, de encarar desafios. Adoro lidar com crianças, com idosos, com as comunidades, onde sou bem quisto. Eu sou ‘tarefeiro’, de correr atrás, de fazer e acontecer. Isso é o que me motiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *