Monitorando receitas e despesas

Para que os trens operem todos os dias, a Trensurb conta com um quadro funcional com mais de mil empregados que atuam em diversas áreas e garantem o bom funcionamento do metrô, o planejamento e a gestão da empresa. As 48 unidades organizacionais da Trensurb estão divididas entre três diretorias, duas superintendências, 14 gerências, 28 setores e um órgão de auditoria interna. Conheça o trabalho do Setor de Orçamento (Seorc).

Quem faz? A equipe do Seorc é composta por três empregados: um administrador, um assessor e um chefe de setor. Também faz parte da unidade um estagiário de nível superior que cursa economia.

O que faz? O Setor de Orçamento da Trensurb é responsável pela elaboração da proposta orçamentária da empresa junto ao Ministério das Cidades, órgão ao qual a empresa está vinculada. A unidade, após a publicação da Lei de Orçamento, tem o trabalho de monitorar a execução de todas as ações orçamentárias pertencentes à Trensurb.

Como faz? “Este monitoramento é realizado diariamente, através de planilhas de acompanhamento e também pelo Sistema Integrado de Administração Financeira (SIAFI). Por meio desse processo ou de solicitação às áreas afins, temos a possibilidade de saber se os limites disponíveis serão suficientes ao atendimento das despesas”, explica o chefe do setor, Vilmar Paz. Em caso negativo, em datas estipuladas por portaria, são solicitados créditos suplementares ao orçamento aprovado, com justificativas bem embasadas, que passam por análise do Ministério das Cidades e da Secretaria de Orçamento Federal (SOF).

“O Seorc também realiza o acompanhamento das receitas orçamentárias, informando a Secretaria de Orçamento Federal sua estimativas para o exercício e também para o ano seguinte”, afirma Vilmar. Outra função do setor é a de sempre estar atendo à publicação de leis, decretos e portarias que dizem respeito ao orçamento federal e que podem afetar a execução orçamentária da Trensurb.

Internamente, a unidade tem a função de controlar toda e qualquer despesa: “Seja ela proveniente do pagamento de pessoal e benefícios, compra de bens e serviços, renovação contratual, pagamento de sentenças judiciais, impostos, taxas, renovação de assinaturas ou anuidades, deve obrigatoriamente, passar por nós do Seorc”, diz Vilmar. Os processos devem ser controlados para que sejam disponibilizados recursos orçamentários suficientes para a sua efetivação.  Segundo Vilmar, todas as atividades que dizem respeito a “elaboração, execução e acompanhamento do orçamento público” estão inclusas em legislação específica e “necessitam de atenção por parte de seus gestores”.

A administradora Nara Joyce Olinto está no setor há dois anos e afirma gostar de trabalhar no Seorc: “Eu gosto bastante de trabalhar aqui, o ambiente é tranquilo e, mesmo em época de demanda alta, como no final de ano, é corrido, porém, muito bom de trabalhar”.

Onde fica? No prédio administrativo da Trensurb, no pátio da empresa, em Porto Alegre, no bairro Humaitá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *