Entrevista: Liana Timm e seu afeto por Porto Alegre

Desde 10 de julho, os monitores do Canal Você, em trens e estações, exibem a exposição intinerante Cidade do Meu Olhar, assinada pela artista Liana Timm. O trabalho de Liana é divulgado também nos perfis da Trensurb nas redes sociais, incluindo o videoarte completo no YouTube. A peça destaca fragmentos da série Cidade do Meu Olhar, que reúne cerca de 300 obras criadas pela artista em diversos momentos, buscando sempre pensar a cidade de Porto Alegre através de sua história e contemporaneidade. Iniciada em 1986, a série segue em progresso, acrescentando o que a urbanidade oferece de tempos em tempos. Cidade do Meu Olhar segue em exibição nos monitores do metrô até 31 de agosto.

Artista multimídia, arquiteta, poeta e designer, Liana Timm nasceu em Serafina Corrêa, no interior do estado, mas adotou a capital gaúcha, da qual fez uma inspiração para suas obras. Liana tem mais de 40 livros publicados, cerca de 70 exposições individuais e participou de mais de 100 coletivas, recebendo diversos prêmios e, em 2008, o título de Cidadã Honorária de Porto Alegre, da Câmara Municipal. Dirige a Território das Artes Editora, especializada em artes visuais, literatura e ciências humanas. Foi uma das participantes da Antologia Digital da Poesia Gaúcha, projeto da Trensurb que veicula – nos monitores de trens e estações, além das redes sociais – vídeos de poetas declamando suas poesias.

Confira a seguir a entrevista que fizemos com ela a respeito de Cidade do Meu Olhar, de sua relação com Porto Alegre e sua trajetória como artista multimídia.

Como surgiu a ideia de fazer a série Cidade do Meu Olhar?

Liana Timm – Desde 1986 me dedico ao tema Cidade do Meu Olhar. Nasceu quando eu estava elaborando as obras para o livro Quintana dos 8 ao 80. Convivi com o poeta durante seis meses e tomei contato com sua poesia de forma profunda. Para criar os trabalhos da publicação tive que entender verso a verso o significado daquelas palavras e, como já apreciava a poesia de Quintana, esse novo momento me fez admirá-lo ainda mais. Após esse contato veio a vontade de ampliar minha produção sobre a cidade e a partir daí continuei a fazer obras em torno da história e da atualidade de Porto Alegre.

Como funcionou teu processo criativo para essa série?

Liana Timm – Nasci em Serafina Corrêa e aos 3 anos meus pais se mudaram para Porto Alegre. Como médico meu pai iniciou sua vida profissional no interior e depois veio para a capital, onde se estabeleceu. Moramos em vários bairros: Independência, Rio Branco, Petrópolis, Santana, Moinhos de Vento, Cidade Baixa e Cristal. Vivi intensamente cada um deles e tais vivências fizeram aumentar meu amor pela cidade. Além disso, tive oportunidades que me possibilitaram produzir textos e imagens sobre vários aspectos emblemáticos de Porto Alegre. Assim, fui gradativamente colecionando exemplares que reuni, em parte, no vídeo que criei para a Trensurb.

Como é tua relação afetiva com Porto Alegre?

Liana Timm – É muito natural que a cidade em que se vive seja motivo de afeto. Assim, Porto Alegre tem extrema importância tanto na minha trajetória artística quanto pessoal. Posso viajar para os lugares mais fascinantes, mas voltar é sempre reconfortante. Me envolvo com os problemas sociais, ambientais, culturais, artísticos e políticos de nossa cidade, pois entendo ser uma responsabilidade cidadã ser ativa no que diz respeito às melhorias que precisam ser implantadas para que todos possam ter uma vida digna e produtiva.

Como funciona teu trabalho como artista visual e multimídia?

Liana Timm – Meu trabalho nas artes visuais visita várias técnicas e materiais. Trabalho com a manualidade e a tecnologia. Com o analógico e o digital, com a história e a contemporaneidade. Misturo linguagens e me aproprio do que me parece necessário no momento. A liberdade de escolha e pensamento são prioridades para todo artista.

Como foi tua trajetória artística e profissional?

Liana Timm – Este ano faço 52 anos de dedicação às artes visuais e 35 anos de poesia. Muitas realizações e histórias para compartilhar. Um caminho trilhado com muita dedicação, perseverança e paciência. E, acima de tudo, muita paixão. A arte para mim é como o oxigênio: fundamental e insubstituível. Uma maneira de ser.

O que significa pra ti ter a série Cidade do Meu Olhar exposta de forma itinerante nos trens?

Liana Timm – O que mais aprecio é fazer circular a minha produção artística em ambientes fora do circuito convencional da arte. Tenho muita satisfação em estar presente nas estações, nos vagões e nas redes sociais da Trensurb. Que todos possam conviver com a arte e entender a sua importância no nosso dia a dia. A arte transfigura o óbvio e possibilita novos olhares sobre a vida.




Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *