Busca pelo aperfeiçoamento e um pouco de sorte

Frank Alves Ferreira, de 27 anos, é natural de Santana da Boa Vista, no interior do estado, e conheceu a Trensurb quando cursava engenharia civil na Universidade Federal do Rio Grande. Ele teve a oportunidade de visitar a empresa em dois momentos de crescimento: o primeiro foi durante a expansão da linha do metrô até Novo Hamburgo; mais tarde, visitou as obras do aeromóvel. O engenheiro fez o concurso para a Trensurb em 2013, enquanto ainda estava na faculdade. Quando se formou, em 2015, ingressou em um mestrado em engenharia de transportes pela Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo. Logo, foi convocado para trabalhar na empresa. Frank diz que teve “um pouco de sorte”, pois quando iniciou o trabalho na Trensurb, já havia concluído as disciplinas presenciais do mestrado e pôde seguir a pesquisa à distância, tendo reuniões de orientação via internet.

Frank faz parte do Setor de Planejamento e Projetos de Mobilidade Urbana (Semob), que tem como uma de suas principais atribuições o planejamento da integração do sistema metroviário a outros modais de transporte, como ônibus e bicicletas. Recentemente, o engenheiro e seus colegas desenvolveram um novo mapa interativo de linhas de ônibus integradas ao metrô, já disponível no site da Trensurb.

Em setembro de 2013, enquanto cursava a faculdade, Frank iniciou um intercâmbio de um ano na Universidade de Alicante, na Espanha. Ele relata que a experiência foi decisiva para sua vida profissional: “Acho que o contato com sistemas de transportes eficientes e perceber como isso faz diferença no dia a dia me motivou ainda mais a seguir nesta área”. Segundo Frank, o período em que esteve fora também proporcionou crescimento pessoal e serviu para desenvolver sua capacidade de adaptação – a uma cultura, pessoas, experiências e idioma diferentes.

Em fevereiro deste ano, por meio da Trensurb, teve a oportunidade de ir ao Japão em curso promovido pela Agência de Cooperação Internacional do país oriental. Dividida entre palestras e visitas técnicas, a capacitação lhe rendeu conhecimentos ferroviários e a chance de trocar experiências com profissionais de outras operadoras do Brasil.

O engenheiro afirma gostar muito de trabalhar na Trensurb e, especificamente, no Semob, onde, segundo ele, os colegas são todos participativos. “É uma satisfação, a Trensurb atende milhares de pessoas durante o dia, fico feliz de fazer parte”, declara. Frank afirma que quer seguir se aperfeiçoando para poder contribuir cada vez mais com os serviços prestados pela empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *