2018 na Trensurb: cidadania, solidariedade e integração com a comunidade

Buscando reafirmar seu compromisso e fortalecer a integração com as comunidades em que está inserida, além de procurar contribuir como agente de transformação social, a Trensurb vai além de sua atividade-fim e desenvolve ou é parceira de projetos e ações sociais e de relacionamento. Diversas foram as atividades realizadas pela empresa com esse foco em 2018. Saiba mais sobre elas a seguir.

Leia mais →

Sustentabilidade e solidariedade

Para que os trens operem todos os dias, a Trensurb conta com um quadro funcional com mais de mil empregados que atuam em diversas áreas e garantem o bom funcionamento do metrô, o planejamento e a gestão da empresa. As 48 unidades organizacionais da Trensurb estão divididas entre três diretorias, duas superintendências, 14 gerências, 28 setores e um órgão de auditoria interna. Conheça o trabalho do Setor de Responsabilidade Socioambiental (Seram).

Quem faz? Atualmente o setor é composto por 13 membros: dois auxiliares de serviços gerais, uma técnica em administração, dois engenheiros ambientais, três assessores e cinco estagiários de níveis médio e superior.

O que faz? O setor atua de forma consultiva e normativa em relação aos impactos sociais e ambientais, diretos e indiretos, gerados pelas atividades da empresa, e desenvolve programas, projetos e ações em parceria com órgãos institucionais. As atividades ocorrem em horário comercial, porém a realização de orientações de educação ambiental e o acompanhamento de serviços como o de controle de pragas ocorrem fora do horário normal de expediente. Ações de cunho social em parceria com as prefeituras, instituições de ensino e sociedade civil são realizadas nas comunidades em dias e horários diversos incluindo fins de semana e feriados, dependendo das demandas.

Leia mais →

Acyr (à esq.) recebe doação em edição da campanha na Usina do Gasômetro

A estação do frio se aproxima e a solidariedade com os animais desembarca na Trensurb

Chega o inverno e as pessoas pensam em todas as campanhas do agasalho que são realizadas por diversas empresas, instituições e ONGs, mas existe outro “público” que é esquecido nesta época: os animais abandonados. Seguindo com suas atividades socioambientais, a Trensurb apoia outras iniciativas do mesmo cunho, tais como a Campanha da Ração na Usina, promovida pelo metroviário Acyr Winckler Martins. Ele, que atua hoje na Estação Mercado, também trabalha na defesa de animais em situações de vulnerabilidade. Desde 2005, quando ele e sua esposa, Ceres, decidiram trocar um apartamento na capital por um sítio em Viamão, local onde construíram diversos canis. Assim foi criado o Abrigo Cannis Luppus.
A ideia de amparar cães surgiu quando Winckler trabalhava na Estação Esteio e viu um cão sendo atropelado, permanecendo vivo na rua onde circulavam diversos carros. “Ele (o cachorro) ficou com os taxistas até o final do meu turno e só aí pude levá-lo ao veterinário”, conta. Ele ainda complementa a história dizendo que “o cachorro, depois de complicações durante a cirurgia para corrigir a fratura, foi acolhido por nós até o fim de sua vida”.

O primeiro cão resgatado por Winckler foi chamado de Bonŝanca, que em esperanto significa sortudo, foi a faísca para um projeto muito maior que é o próprio abrigo, já que diversos animais estão na mesma situação de vulnerabilidade devido a maus tratos e abandono por parte de seus donos.Uma das preocupações do abrigo é o crescimento desenfreado da população de cachorros de rua, que depois de abandonados acabam procriando. Mesmo sem parceria ou convênio com clínicas veterinárias, todos os cães acolhidos são castrados e acomodados até que ganhem um novo lar.

Hoje, o Cannis Luppus, nomenclatura alusiva ao nome científico do Lobo-Cinzento, possui mais de 250 cães resgatados e sua principal dificuldade em manter o acolhimento dos animais é a alimentação diária. Cada um dos abrigados consome cerca de 400g de ração por dia e custear a comida para todos eles é inviável, pois o abrigo não recebe ajuda financeira de nenhuma entidade, ONG ou da administração pública.

Para suprir a necessidade, que atualmente é de 3 toneladas de ração por mês, o que equivale a aproximadamente 37 cães da raça São Bernardo, em 2008 foi criada a campanha mensal para arrecadação, sempre ao lado da chaminé da Usina do Gasômetro, em Porto Alegre.  Para colaborar com o abrigo, basta ir até a Usina do Gasômetro, nos dias 30 e 31 de maio, entre às 9h e 18h, e doar um saco de ração, independente da marca ou do peso do pacote. Para quem não pode se deslocar até o local, há uma parceria com um armazém de rações que efetua a venda com desconto, pelos telefones (51) 3322-1851 e 3384-2867, entregando diretamente no abrigo. A empresa recolhe o valor na casa do doador ou fornece número de conta bancária para realização de depósito.

Quem não pode colaborar com ração, mas pode ajudar com remédios, camas, casinhas e cobertores, pode entrar em contato com o próprio Acyr Winckler pelo fone (51) 9911-9910 ou através do email cannisluppus@gmail.com. Para adotar um amigo de quatro patas é necessário agendar um horário de visita ao abrigo pelos mesmos meios.

Acyr e sua esposa Ceres

Solidariedade animal

Acyr e sua esposa Ceres

Acyr e sua esposa Ceres

É visível a paixão que o assistente operacional da Trensurb, Acyr Winckler Martins, tem pelos animais. Ele e sua esposa Ceres possuem há oito anos o abrigo Cannis Luppus, localizado na cidade de Viamão. O trabalho deles é totalmente voluntário. O local, comprado pelo casal especialmente para esse fim, abriga cerca de 250 cães que são castrados e destinados à adoção.

Muitos dos animais acolhidos pelo casal foram vítimas de abandono ou acidentes. Winckler conta que muitos cães são levados até ele pelos seguranças da Trensurb. “Temos mais de 20 que saíram do pátio do trem. Nós resgatamos eles daqui e  levamos para o abrigo”, relata o metroviário.

Entretanto, apesar da dedicação, cuidar de tantos bichos não é fácil. Isso porque eles consomem cerca de 100 quilos de ração por dia. Pensando nisso, o casal decidiu pedir ajuda no site gaúcho de financiamentos coletivos para animais carentes Bicharia.

A ideia é simples: os amantes dos animais podem ajudar o abrigo por meio de doações mínimas de R$ 10. As transações são seguras e há diversas formas de pagamento. É necessário apenas criar um cadastro no site. A campanha encerra em onze dias. Quer ajudar? Acesse o link: https://www.bicharia.com.br/projeto/canis-lupus-verao-2014.

Foto: Arquivo Trensurb

Clube de Mães Vinícius de Moraes junto com a Trensurb na Campanha do Agasalho

Foto: Arquivo Trensurb

Foto: Arquivo Trensurb

Se o inverno é a estação do ano favorita de muita gente, para outros é uma época para esquecer. Principalmente os moradores de comunidades carentes que dependem de doações para se aquecerem no frio, e também aqueles que perderam tudo em decorrência de chuvas e alagamentos que aconteceram em agosto. Em momentos assim é que a solidariedade costuma emergir das mais diferentes formas.

Na última quinta-feira, a Trensurb recebeu a visita de um grupo de mulheres do Clube das Mães Vinícius de Moraes, de Sapucaia do Sul. Elas estiveram presentes para ajudar na triagem das vestimentas doadas para a Campanha do Agasalho da empresa. Cinco voluntárias organizaram as vestimentas em geral e vão distribuir parte das peças entre famílias carentes das comunidades atendidas pela organização. “Esta parceria é fundamental para o nosso trabalho. É um prazer ajudar a empresa e, em troca do nosso voluntariado, receber roupas para doar às pessoas necessitadas, orfanatos e famílias atingidas pelas águas da chuva na última semana”, diz a presidente do grupo de mães, Conceição Lopes.

A Trensurb, junto com a sua ajuda, já arrecadou este ano cerca de 20 toneladas de agasalhos, recebidos através dos postos de coleta existentes nas estações. O material recebido é distribuído entre ONGs, entidades beneficentes e órgãos municipais, que fazem os donativos chegarem nas mãos de quem realmente precisa.

Quer colaborar com a Campanha do Agasalho? Antes de sair de casa rumo ao trem, separe aquela roupa que está no fundo do seu armário e que você não usa mais e traga consigo. Deixe-a em um dos postos de coletas que estão em todas as estações. Faça a sua parte!