Disposição para contribuir

Michael Luciano Chaves Franz tem 36 anos, é natural e morador de Esteio. Engenheiro mecânico graduado na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Michael prestou concurso para a Trensurb em 2009, ingressando na empresa em 2013. Anteriormente, trabalhou por 11 anos em empresas de bens manufaturados, a InBetta e a Springer Carrier, onde exerceu as funções de técnico de manutenção, técnico de projetos e engenheiro de projetos.

Leia mais →

Geman

Trens, trilhos, prédios e equipamentos

Para que os trens operem todos os dias, a Trensurb conta com um quadro funcional com cerca de mil empregados que atuam em diversas áreas e garantem o bom funcionamento do metrô, o planejamento e a gestão da empresa. As 49 unidades organizacionais da Trensurb estão divididas entre três diretorias, duas superintendências, 14 gerências, 28 setores, um órgão de auditoria interna e uma ouvidoria. Conheça o trabalho da Gerência de Manutenção (Geman).

Quem faz? A equipe da Geman é constituída por um gerente, formado em engenharia mecânica, um assistente de serviços gerais, uma técnica de gestão e uma estagiária de ensino médio. Estão subordinadas à gerência três unidades organizacionais: os setores de Manutenção Predial e Equipamentos (Semap), Oficina (Seofi) e Via Permanente (Sevip).

O que faz? A Gerência de Manutenção é a área responsável pela orientação, coordenação, planejamento e controle da execução das diretrizes estabelecidas pela Diretoria de Operações para as atividades de manutenção do material rodante, via permanente, edificações e equipamentos eletromecânicos.

Leia mais →

Busca pelo aperfeiçoamento e um pouco de sorte

Frank Alves Ferreira, de 27 anos, é natural de Santana da Boa Vista, no interior do estado, e conheceu a Trensurb quando cursava engenharia civil na Universidade Federal do Rio Grande. Ele teve a oportunidade de visitar a empresa em dois momentos de crescimento: o primeiro foi durante a expansão da linha do metrô até Novo Hamburgo; mais tarde, visitou as obras do aeromóvel. O engenheiro fez o concurso para a Trensurb em 2013, enquanto ainda estava na faculdade. Quando se formou, em 2015, ingressou em um mestrado em engenharia de transportes pela Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo. Logo, foi convocado para trabalhar na empresa. Frank diz que teve “um pouco de sorte”, pois quando iniciou o trabalho na Trensurb, já havia concluído as disciplinas presenciais do mestrado e pôde seguir a pesquisa à distância, tendo reuniões de orientação via internet.

Frank faz parte do Setor de Planejamento e Projetos de Mobilidade Urbana (Semob), que tem como uma de suas principais atribuições o planejamento da integração do sistema metroviário a outros modais de transporte, como ônibus e bicicletas. Recentemente, o engenheiro e seus colegas desenvolveram um novo mapa interativo de linhas de ônibus integradas ao metrô, já disponível no site da Trensurb.

Leia mais →

Desenvolvendo o aeromóvel

Para que os trens operem todos os dias, a Trensurb conta com um quadro funcional com cerca de mil empregados que atuam em diversas áreas e garantem o bom funcionamento do metrô, o planejamento e a gestão da empresa. As 48 unidades organizacionais da Trensurb estão divididas entre três diretorias, duas superintendências, 14 gerências, 28 setores e um órgão de auditoria interna. Conheça o trabalho do Centro de Desenvolvimento Operacional Aplicado à Tecnologia Aeromóvel (Cedaer).

Quem faz? Gerência vinculada à Superintendência de Desenvolvimento e Expansão (Sudex), o Cedaer conta com duas pessoas: o gerente Davi Martins Lamas Vital, que é engenheiro eletricista, e uma técnica em administração. Três unidades organizacionais estão subordinadas ao Centro. São 13 empregados na Coordenação de Desenvolvimento Operacional (CDO), dez na Coordenação de Desenvolvimento de Manutenção (CDM) e dois na Coordenação de Desenvolvimento de Projetos, Estudos e Pesquisas (CDP).

O que faz? Os processos correspondentes ao Cedaer são o transporte de passageiros pelo aeromóvel, manutenção, desenvolvimento de melhorias e o aprimoramento do modal. A linha já transportou mais de 4 milhões de usuários e atualmente mantém média de aproximadamente 80 mil passageiros mensais. Segundo o gerente Davi, “é gratificante ver um modal novo surgindo e passando a fazer parte da rotina das pessoas. Considero importante e necessário avançarmos em novas tecnologias e entendermos o que cada uma tem a contribuir para a evolução das cidades”.

Leia mais →

O engenheiro campeão

Felipe Voelcker, de 37 anos, nascido e morador de Porto Alegre, é engenheiro civil no Setor de Via Permanente (Sevip) da Trensurb desde 2015. Graduou-se no segundo semestre de 2006 e resolveu empreender com um amigo no ramo imobiliário, onde atuou por seis anos. Após enfrentar dificuldades, decidiu prestar concurso público. Entre 2012 e 2013, ingressou em processos seletivos do Detran/RS e da Trensurb. Aprovado no Detran, trabalhou por lá durante quase dois anos. Ambientado e feliz, sequer pensava em sair. Curtia férias em Gramado quando foi chamado pela Trensurb e optou por voltar à capital para atender à convocação. Gostou do que viu e escutou na empresa e, então, resolveu encarar um novo desafio.

Leia mais →

Internet das coisas e análise de dados do aeromóvel

Recentemente, profissionais que atuam no Centro de Desenvolvimento Operacional Aplicado à Tecnologia Aeromóvel, da Trensurb, desenvolveram um sistema que compila e apresenta graficamente dados captados por sensores presentes na linha que conecta a Estação Aeroporto do metrô ao Terminal 1 do Salgado Filho. O trabalho deles foi apresentado durante a 44ª reunião do Grupo Permanente de Autoajuda na área de Manutenção Metroferroviária, que tem como objetivo discutir, avaliar e viabilizar soluções técnicas conjuntas entre operadoras de todo o Brasil. O evento foi parte da 23ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, realizada em São Paulo entre 19 e 22 de setembro.

O projeto, intitulado Internet das coisas a baixo custo e linguagem Python aplicados na operação metroviária, foi desenvolvido pelo técnico em eletrônica Eduardo Sachser, o engenheiro mecânico Gustavo Knies e o engenheiro eletricista Davi Vital, contando com contribuições de diversos outros profissionais da Trensurb. Sua aplicação possibilita o armazenamento de informações coletadas pelos sensores do aeromóvel e, com o auxílio de um programa desenvolvido pelos profissionais, proporcionar a análise minuciosa desses dados.

Leia mais →