Denis2

Gente nova nas estações

Foto: Arquivo Trensurb

Foto: Arquivo Trensurb

Dênis Guilherme de Oliveira, 30 anos, é um dos 21 novos funcionários da Trensurb que estão participando do processo de integração na empresa: ele foi aprovado para o cargo de Assistente Operacional e vai trabalhar nas estações. Mora em São Leopoldo, é casado com Alessandra de Oliveira e tem uma filha de dois anos e oito meses, a Laura. Dênis não é novo no funcionalismo público. Ele era concursado da Secretaria Municipal de Água e Esgotos de São Leopoldo, onde trabalhou por cinco anos. Como bom morador da região metropolitana (é natural de Canoas), ele conta que o trem faz parte da sua vida desde sempre.

A empolgação com o novo emprego é visível nas atitudes de Dênis. Ele diz que é interessado em aprender e gosta de tomar a frente nas tarefas, de ter a liderança. Durante as atividades de integração, ele destacou que os funcionários que foram convidados a conversar com ele e seus colegas durante a primeira semana do processo lhe deixaram pensando bastante sobre o seu futuro na Trensurb: “Algumas pessoas que vieram conversar conosco têm 20, 25 anos de empresa e começaram nas estações, assim como eu. É muito legal saber que a empresa incentiva, valoriza e dá oportunidade para os funcionários de estudarem e crescerem aqui dentro“.

Como assistente operacional, Dênis já conquistou sua primeira usuária: Laura, sua filha, que andou pela primeira vez nos trens. “Ela ficou fascinada“, conta o mais novo funcionário da Trensurb.

Seja bem-vindo, Dênis!

Bom atendimento para você e para seu celular

Foto: Arquivo Trensurb

Foto: Arquivo Trensurb

A Estação Mathias Velho é a terceira mais movimentada da Trensurb. No meio de tantas pessoas, uma delas abre diariamente seu quiosque ao público. Há nove anos, a Margarete Lacerda da Rosa mora em Canoas. “Eu sou de Caçapava do Sul. Já morei no Mato Grosso, em Goiânia, em Minas… Viajava acompanhando o meu marido. Quando a gente se separou, vim para Canoas, onde boa parte da minha família mora”, conta.

Margarete trabalha na estação há sete anos, atendendo as pessoas em busca de uma capa ou acessório novo para celular. O sucesso é garantido – tivemos que interromper a entrevista várias vezes para que ela atendesse os clientes. “Normalmente são as mesmas pessoas que sempre circulam por aqui. Por isso atender bem é fundamental. Quando alguém chega e eu não tenho o acessório compatível com o aparelho, eu pego o contato do cliente e vou atrás”, explica.

Além dos acessórios para smartphones, a Léka Celulares (nome do seu quiosque) também trabalha com artigos para presentes e informática. “Já cheguei a trabalhar aqui com compra, venda e conserto de telefones, mas agora estou mais focada nos acessórios”. Margarete aproveita e convida a todos que viajam de trem para descer na Estação Mathias Velho e fazer um “upgrade” no visual do seu celular. :)

 

canoas2

Dos trilhos para a cultura

Legenda: Fundação Cultural de Canoas, antiga estação de trem. Crédito da foto: Sunriser

Legenda: Fundação Cultural de Canoas, antiga estação de trem. Crédito da foto: Sunriser

Perto da Estação Canoas/La Salle está localizada a Fundação Cultural de Canoas, um centro cultural que realiza atividades nas áreas de Literatura, Artes Plásticas, Teatro, Folclore, música e dança.

Pouca gente sabe, mas ali, onde hoje acontecem exposições e aulas, já passou muita gente que tinha como destino outras cidades. Isso porque o prédio foi, em 1874, uma das estações de trem da The Porto Alegre and New Hamburg Brazilian Railway – a primeira linha férrea do Estado.

O prédio foi construído nas terras da antiga Fazenda Gravataí. Alguns trabalhadores aproveitavam as árvores derrubadas durante as obras para produzir canoas, resultando também no nome da vila que se formara: Capão das Canoas.

A estação resistiu ao tempo e manteve-se em operação até os anos 70, quando foi desativada e utilizada apenas para embarque e desembarque de passageiros da antiga linha, que se manteve operante até 1982. No ano seguinte, a Trensurb recuperou a antiga sede, que hoje abriga cultura em seu interior. O prédio foi tombado pelo município em 14 de abril de 2010.

A Fundação Cultural fica em funcionamento de segunda a sábado, das 9h às 18h, na Av. Victor Barreto, 2301. A entrada é gratuita.

A história da estação foi uma dica do querido Luciano Streilaiev. E você? Conhece histórias semelhantes a esta? Conta pra gente!

Foto: Arquivo Trensurb

Um sonho sobre trilhos

Foto: Arquivo Trensurb

Foto: Arquivo Trensurb

Realizar um sonho também é uma forma de conectar pessoas, estejam elas próximas ou distantes. Para Karina Décio Tavares, é uma forma de cumprir uma promessa feita quando ainda era criança, quebrada pelo acaso do destino.

Karina tem 26 anos e é moradora de Canoas. Seu primeiro contato com a Trensurb foi através do pai, Almir Machado Tavares. Ele trabalhava no Setor de Sinalização (Sesin) entre os anos de 1984 e 2000, ano de seu falecimento. “Eu lembro quando as mesas do CCO (centro de controle de Operações) eram da minha altura”, conta.

Seguindo os passos do seu pai, Karina ingressou na Trensurb como estagiária da Gerência de Operações (Geope) de 2005 a 2007. Em 2008 assumiu como assistente operacional de estações. Dois anos depois, realizou seleção e se tornou operadora de trem.

Hoje Karina alia sua realização pessoal e seu crescimento profissional à vida de metroviária: em julho deste ano formou-se no curso de maquiadora profissional no Instituto Embelleze e pretende lançar um blog especializado sobre o assunto. Já no final do ano, se forma no curso de Gestão Pública no Centro Universitário Uninter. Seus próximos planos são para realizar seu grande sonho: conhecer a Disney. Já esta tudo programado. Em março de 2014, Karina parte com uma amiga em direção à Flórida. “Meu pai iria me dar essa viagem como presente de 15 anos, mas ele faleceu quando eu tinha 13, então agora eu vou conseguir realizar esta viagem.

Crédito da foto: aereo.jor.br

Base Aerea de Canoas – 69 anos de operações

Crédito da foto: aereo.jor.br

Crédito da foto: aereo.jor.br

A Base Aérea de Canoas, que tem nos aviões um dos símbolos da cidade, completou 69 anos em agosto.

Ano que vem, durante a Copa do Mundo, a Base Aérea estará pronta para receber os voos de seleções e autoridades que virão para o evento. Para isso, ela está passando por uma obra de ampliação do pátio de manobras de aeronaves.

Para quem quiser conhecer a Base Aérea de Canoas, ela é aberta ao público todo dia 12 de outubro, com direito a voo de exibição das aeronaves. Para quem interessar, a Estação Fátima, da Trensurb, deixa você bem perto de lá, na Rua Augusto Severo, 1700.

Com seis unidades sediadas, a Base Aérea, também conhecida como BACO, é considerada uma das bases mais operacionais da Força Aérea Brasileira, tanto pelo trabalho realizado, quanto pelo profissionalismo do seu efetivo.

Apesar de a data marcar seus quase 70 anos de existência, a história da BACO é mais antiga. Em 1937 foi quando surgiu na região o 3º Regimento de Aviação. A consolidação como Base Aérea de Canoas aconteceu após a II Guerra Mundial.