Entrevista: a arte coletiva do ColetiveArts

Até 25 de junho, o Espaço Multicultural Livros sobre Trilhos, na plataforma de embarque da Estação Mercado, recebe a exposição Traços e Letras. A mostra traz uma seleção de trabalhos do coletivo de artistas ColetiveArts: são cinco ilustrações acompanhadas de textos num diálogo entre diferentes autores e linguagens artísticas. Em alguns casos, o texto é criado com inspiração no desenho e, em outros, acontece o inverso. Nove são os artistas responsáveis pelos trabalhos expostos: as ilustrações são de Ana Paula Otero, Carole Kummecke, Israel Santiago, Jorginho e Nathalia Lourenci; os textos são de André Moraes, Fabio da Silva Barbosa, Patrícia Maciel e Rafael Ilhescas.

Confira a entrevista que fizemos com Patrícia Maciel e Jorginho, integrantes do coletivo, e saiba mais sobre a exposição e o trabalho do grupo.

Qual é a proposta da exposição em cartaz no Espaço Multicultural?

Patrícia: A exposição Traços e Letras, do ColetiveArts, é uma seleção de alguns trabalhos dos artistas que participam do coletivo, nos quais a ilustração é feita por um artista, e o texto é feito por outro artista. Aqui o que nos interessa é esse diálogo entre diferentes linguagens artísticas: algumas vezes o escritor criando o texto sobre o desenho e, em outras, o ilustrador criando o desenho sobre o texto.

Jorginho: Essa é a primeira exposição do Coletive e fizemos uma pequena síntese em que todos que estão ativos no Coletive estejam representados nela.

E qual o objetivo da exposição?

Patrícia: Alcançar outros públicos, mostrando o diferencial do nosso trabalho em conjunto e demonstrando que os trabalhos desenvolvidos no coletivo têm muita força.

Qual a inspiração para o desenvolvimento do trabalho?

Patrícia: Cada escritor e ilustrador/desenhista tem um perfil muito particular. Alguns tem uma arte mais política/social, outros mais lírica, mas certamente todas são reflexivas sobre o atual tempo que vivemos.

Como avaliam a parceria com a Trensurb?

Patrícia: A parceria com a Trensurb é um feliz encontro que nos proporciona estar em contato direto com outros públicos para além das redes sociais, que hoje é o nosso maior veículo de divulgação dos trabalhos.

O que é o ColetiveArts?

Jorginho: O Coletive é um sonho que se tornou realidade e vem crescendo cada vez mais. Somos artistas, escritores, compositores, editores, joalheiros, nerds, geeks, loucos, amantes da escrita e do desenho. Somos adultos, que ainda enxergam o mundo com olhos de uma criança, uma criança curiosa e exploradora que vai criando novos mundos. Somos Coletive!

Patrícia: Um coletivo de artistas escritores, desenhistas e ilustradores que tem por objetivo criar uma rede de trabalho e parcerias para ampliar e divulgar suas criações, bem como promover ações positivas como criação de eventos, produção de fanzines e livros, oficinas que envolvam a participação da comunidade: oficina de fanzines, de ilustração, de desenho, de escrita criativa, entre outros. O Coletive tem compromisso com a arte e a cultura.

Como surgiu o coletivo?

Jorginho: O Coletive foi criado em 21 de maio de 2018 (ainda é uma criança). Começou com uma ideia do Israel Santiago e minha de expormos no Facebook algumas ilustrações nossas, como um portfólio online. De repente, surgiram o grande Fabio da Silva Barbosa (um dos grandes nomes do underground brasileiro), que é escritor, a Patrícia Maciel voltou a escrever textos e então o pessoal veio surgindo, eles escreviam e nós ilustrávamos. É um projeto em constante expansão, meio mutante, vamos nos adaptando à medida em que novas oportunidades vão surgindo e novos autores, novos artistas vêm se agregando a nós, sempre com o ideal da cultura.

E como funcionam os trabalhos do coletivo?

Jorginho: Os trabalhos do ColetiveArts são realizados de uma forma bem coletiva. Na page do Facebook, escritores mandam seus textos para que ilustradores façam a sua interpretação gráfica deles. Temos casos que um escritor também desenha, porém ele nunca ilustrará o seu texto, pois uma marca do Coletive é o grupo. Geralmente não colocamos temas, o autor do texto é bem livre para expor sua escrita, a não ser em datas temáticas como Natal ou virada de ano.

Como funcionam as oficinas e qual seu objetivo?

Patrícia: Nos trabalhos que desenvolvemos oficinas, atuamos com diferentes abordagens: escrita criativa, introdução ao desenho, ilustração, quadrinhos, roteiro para quadrinhos, métodos criativos, introdução ao RPG, fanzine, joalheria criativa. Ao participar das oficinas, acreditamos que o público entre em contato com diferentes formatos da criação artística, ampliando seu olhar e experienciando outras formas de ser e estar no mundo, mais autêntica e propositiva.

Jorginho: Todas as nossas oficinas são voltadas para construção do saber artístico. Sempre trazemos a questão da reflexão do que ensinamos, no que repartimos, no que aprendemos quando ministramos elas.

Quais são os projetos futuros?

Jorginho: Os projetos  são muitos, incluem a segunda edição do nosso fanzine COMBO, participações em eventos relacionados a quadrinhos, organização de oficinas com nossos componentes, edição do Coletive em Ação – aniversário da Biblioteca de Gravataí (Coletive em Ação é onde organizamos uma série de atrações como palestras, oficinas, RPG, todas gratuitas e voltadas para a comunidade), comemoração de aniversário do Coletive que acontecerá dia 21 de maio e o segundo Coletive na Feira, espaço geek/nerd da Feira do Livro de Gravataí.

Conheça mais do trabalho do ColetiveArts na página do grupo no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *