Das salas de aula para o metrô

Simone Rodrigues, 45 anos, é natural de São Paulo e trabalha há oito anos como agente metroviária da Trensurb, na função de operação de estações, atuando principalmente na bilheteria e na assistência aos usuários. Graduada em letras pela Universidade Guarulhos, Simone conta que conheceu o marido Carlos Alberto, gaúcho, durante a faculdade. Foi ele quem propôs que viessem morar no Rio Grande do Sul.

Antes de trabalhar na Trensurb, Simone era professora em uma escola em Canoas. No entanto, ela sentia que não tinha a didática necessária para ensinar, então decidiu prestar concurso público. Como havia considerado difícil a prova para a Trensurb e estava esperando o resultado de outro concurso, não acompanhou as etapas seguintes da seleção para ingressar na empresa. Um dia, enquanto dava aula, recebeu uma mensagem de seu filho, Guilherme, dizendo que a Trensurb havia entrado em contato e solicitava que ela comparecesse à sede administrativa para dar início ao processo de admissão. Simone conta que duvidou inicialmente, pois o filho é muito brincalhão. Resolveu tirar a dúvida quando chegou à Estação Niterói, onde costumava embarcar, e perguntou a um agente metroviário se sabia se a empresa estava convocando os classificados do último concurso. Diante da resposta positiva, acabou dando início à sua história na Trensurb.

Hoje, Simone trabalha na Estação São Luís e afirma que uma das melhores partes de sua rotina profissional é “interagir com as pessoas”. “Acho isso muito bom, conhecer pessoas diferentes”, declara. “Tem muito usuário que vem e que gosta de conversar. Eu acho interessante, porque está acabando isso, as pessoas não conversam mais, não têm mais o entrosamento. Muitos fatores acontecem para afastar o ser humano, não fomos feitos para vivermos sozinhos”, opina. A metroviária também conta que existe uma grande identificação com os colegas e o contato e o entrosamento entre eles também é parte importante de seu dia a dia. Para Simone, uma vantagem de trabalhar em São Luís é a proximidade de sua casa, o que lhe permite passar mais tempo com sua filha, Melissa.

A ex-professora afirma que, em seu tempo livre, gosta muito de ler, fazer compras no shopping e assistir filmes na companhia da filha. Simone diz ainda que sonha em ver seus filhos formados e em, um dia, viajar para Israel. Dentro da empresa, tem o objetivo de tornar-se operadora de trens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *